Lá funciona: Sarkozy é detido pela polícia para depor sobre irregularidades de campanha

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, 63, foi detido pela polícia na terça-feira (20) para interrogatório. As autoridades investigam a denúncia de que sua vitoriosa campanha eleitoral de 2007 foi financiada pela Líbia -à época, governada pelo ditador Muammar Gaddafi, morto nos protestos violentos de 2011.
Essa investigação está aberta desde 2013, no rastro das informações publicadas um ano antes pelo site Mediapart, que trazia um documento líbio apontando o financiamento ilegal. É a primeira vez que o ex-presidente conservador depõe sobre o caso, no entanto, e a história tem o potencial de ser um dos grandes escândalos políticos franceses destas décadas.
Sarkozy, que foi presidente de 2007 a 2012, diz que a denúncia é “grotesca”. Um de seus aliados próximos, Brice Hortefeux, um ex-ministro do Interior, também foi interrogado durante a terça-feira.
Há outras denúncias de financiamento ilegal de Sarkozy, desta vez em relação à campanha eleitoral 2012, quando foi derrotado pelo socialista François Hollande. A acumulação de denúncias é uma das razões pelas quais Sarkozy não venceu as primárias de seu partido, os Republicanos, para disputar o pleito de 2017.
Em novembro de 2016, durante aquelas primárias, surgiu uma das denúncias mais graves neste caso, com o depoimento do intermediário Ziad Takieddine ?-que afirmou ter transportado o equivalente a R$ 20 milhões em espécie de Trípoli, na Líbia, a Paris.
Segundo o jornal francês Le Monde, o ex-presidente está nas dependências da polícia judiciária em Nanterre, no oeste de Paris. Ele pode ser mantido por dois dias para o interrogatório, segundo a legislação francesa de “garde à vu”, uma custódia policial. É possível que ele precise depôr a um juiz antes de solto.
O governo francês descreve a custódia policial como “medida de privação de liberdade durante uma investigação judicial”. Entre seus objetivos está a garantia da aparição do investigado diante da Justiça.
Também se busca impedir, dependendo do caso, a destruição de evidências ou a coerção de testemunhas. O instrumento se parece, assim, com a prisão temporária brasileira, que tem duração máxima de cinco dias para os crimes comuns.
O Le Monde sugere que a detenção desta terça-feira pode ser um indício de que a Justiça francesa tem novas provas sobre a denúncia, somadas às centenas de documentos e depoimentos. Pode ser, portanto, um episódio decisivo na carreira do ex-presidente conservador.
“Peço bastante prudência à imprensa”, disse durante o dia a eurodeputada Nadine Morano, ex-ministra do governo Sarkozy. “Veremos se essa custódia policial foi justificável e que elementos aportará.”

Postagem original. Data original: 20 MAR 2018.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Entrar






Cadastre-se
Esqueceu sua senha?

Cadastre-se