• Responda à pergunta do dia e concorra a prêmios - Clique Aqui

Passageiro relata sufoco ao ficar 10 horas à deriva no mar

Os cerca de 50 passageiros da escuna que ficou mais de 10 horas à deriva na Laje de Santos, no litoral de São Paulo, neste domingo (13), tiveram que ter paciência até que o resgate chegasse. Por conta do balanço em alto mar, muitos passaram mal e havia o medo de não conseguirem voltar para casa. A escuna ficou sem ter como retornar para a costa após apresentar uma pane mecânica em um dos motores. Ninguém ficou ferido. Marco Antônio de Oliveira tem 41 anos e era um dos passageiros da escuna. Segundo ele, era um dia de passeio e a bordo da embarcação ‘Lady Linda’ estavam cerca de 50 pessoas. O grupo saiu da Ponta da Praia no domingo de manhã e a previsão era voltar a tarde, indo até a Laje de Santos que fica a cerca de 40 quilômetros da praia. “No início da viagem já percebemos diversos problemas. A escuna não tinha GPS e o piloto não sabia a localização da Laje. A embarcação quebrou logo que saímos de lá, para voltar para casa. A princípio, a escuna não tinha rádio para pedirmos socorro, mas depois de umas quatro horas fizeram um rádio funcionar”, relembra. O microempresário ainda contou que uma lancha que passava pelo local e viu a escuna à deriva acionou a Marinha do Brasil (MB) pelo rádio e um barco de apoio de um conhecido do grupo também foi acionado mas, no momento do resgate, também apresentou um problema. Em um vídeo obtido pelo G1, os passageiros mostram a situação à bordo da embarcação que ficou à deriva. Muitos já cansados, deitados, aguardando o resgate. É possível ver nas imagens também alguns tripulantes tentando arrumar o problema na escuna e muita fumaça saindo do motor. “Ficamos o dia todo esperando socorro, ainda bem que o tempo estava bom e não choveu, o mar não estava agitado. Mas foi muito cansativo, pegamos muito sol, muita gente passou mal por conta do balanço do mar. Por sorte tínhamos comida, água, tudo. A escuna nem sinalizador tinha. Foi uma situação chata”, disse. Com um dos motores que estava funcionando, a escuna começou a fazer o reboque do barco pesqueiro rumo à costa, mas muito vagarosamente. A escuna e o barco pesqueiro foram resgatados por volta das 22h pelo navio do Corpo de Bombeiros. De acordo com o GBMar, as equipes foram acionadas somente às 20h30. Após verificada as condições das vítimas e embarcações, foi inciada a manobra de reboque da escuna. No total, cerca de 50 pessoas foram resgatadas. As embarcações foram rebocadas até a Ponte Edgar Perdigão, na Ponta da Praia, e todas as vítimas foram deixadas em segurança, sem necessidade de atendimento médico. A Fundação Florestal, responsável pelo parque, informou que a embarcação estava autorizada a fazer passeio na Laje de Santos. Em nota, a Marinha do Brasil informou que tomou conhecimento no fim da tarde deste domingo que a embarcação havia sofrido uma avaria em um dos motores e estava retornando da Laje de Santos para Santos com apenas um motor funcionando. A Capitania dos Portos ativou sua estrutura de busca e salvamento (SAR) e passou a acompanhar o retorno da mesma, até a atracação na Ponte Edgard Perdigão em segurança, por volta das 23h50. Após a atracação, peritos da CPSP foram a bordo para inspecionar a embarcação e proceder a apuração do ocorrido.

Fonte. Publicado em: 14/10/2019 10h38.

Artigo AnteriorPróximo Artigo

Entrar






Cadastre-se
Esqueceu sua senha?

Cadastre-se








Pergunta do Dia:

Quem deve tomar vacina?